219 458 670 / 219 446 417 | geral@jf-moscavideportela.pt

ENTREVISTA

Nome: Ana Maria Miranda Galão Mendonça

Funções: Trabalhadora da Junta de Freguesia de Moscavide e Portela

Idade: 59

Filhos: 2

“…”

🎙 Há quanto tempo trabalha na Junta de Freguesia e quais as Funções?

Trabalho na Junta de Freguesia há 15 anos e neste momento estou integrada no sector de educação e cultura.

🎙 Descreva-nos as suas tarefas quotidianas na Junta de Freguesia?

Todos os dias existem novos desafios e nenhum dia é igual ao outro.

Tendo em conta que as minhas tarefas contemplam áreas como a educação e a cultura, as minhas funções passam por realizar todo o trabalho administrativo referente ao Complemento de Apoio à Família, Atividades de Enriquecimento Curricular, ligação com os estabelecimentos de ensino e as necessidades prementes de cada um deles, gestão da agenda dos equipamentos: Casa da Cultura e Centro Cultural e ainda a área da cultura que integra, a visão, planificação e concretização das atividades culturais realizadas na freguesia.

🎙 Fale-nos um pouco do seu dia-a-dia?

O meu dia a dia tem início cerca das 7h00, como resido relativamente perto não existem grandes constrangimentos para chegar ao local de trabalho o que se traduz num elemento facilitador e contribui para começar o dia de forma calma.

No decorrer do mesmo as tarefas são absorventes e há que tentar resolver cada uma com empenho e rapidez, até porque trabalhar num local com crianças, como é o caso, exige na maioria das vezes respostas rápidas para as quais temos de estar preparados, por outro lado as funções a nível da cultura exigem um trabalho de consulta que por vezes nos absorvem mais tempo mas com um bom planeamento é possível conciliar as tarefas sem que a realização de umas interfira na concretização das restantes.

🎙 O que o/a motiva mais neste trabalho?

A proximidade com as crianças sem dúvida. O CAF foi um projeto que nasceu comigo e do qual faço parte desde o início, no entanto também encaro as funções na área da cultura como algo bastante motivante. O sucesso da sua concretização traduz-se sempre em motivação para começar a delinear o próximo evento e isso é, sem dúvida, a alavanca que nos motiva a querer sempre fazer mais e melhor.

🎙 Sente-se realizado/a profissionalmente?

Eu sou muito exigente comigo própria e isso leva-me a pensar que, se interiorizar que estou realizada profissionalmente não preciso crescer mais e isso é algo que não quero.

Continuar a aprender todos os dias, crescer enquanto profissional, abraçar novos desafios e tratar cada um deles como único, é esse o meu objetivo, é esse o meu dia a dia.

🎙 Qual a experiência que mais gostou até hoje no seu trabalho?

Cada experiência é única, e já desempenhei tantas desde que me encontro ao serviço da JF que individualizar uma em particular não seria justo para todas as outras.

Cada função tem a sua particularidade, mas diria que gostei muito de secretariar o presidente que se encontrava em funções quando iniciei a minha carreira na Junta de Freguesia.

O trabalho de secretariado é exaustivo, sem dúvida, mas talvez também ao facto de no meu anterior emprego onde exerci funções durante 20 anos sempre ter sido secretaria criei uma relação especial com esta função.

Hoje em dia o que mais gosto é, como já referi, o trabalho no CAF.

🎙 Se pudesse mudar algo na freguesia, o que mudaria?

Neste momento penso que é urgente repensar o estacionamento, no entanto, pessoalmente se pudesse, mudaria a imagem do Jardim Público de Moscavide.

🎙 Como é ser funcionário de uma Junta de Freguesia?

É absorvente, é estar preparado para ouvir críticas com o mesmo sorriso com que se ouvem elogios mas é sobretudo ter consciência que trabalhar numa Junta de Freguesia é estar para servir e não para se servir.

🎙 Que mensagem gostaria de deixar a todos os Fregueses de Moscavide e da Portela?

Que sintam a Junta de Freguesia como um local de proximidade e acolhimento que, na dúvida, questionem, informem-se e sintam que a Junta de Freguesia está de portas abertas para receber todas as sugestões e sobretudo criar pontes entre a autarquia e os fregueses.

“…”

Vamos Juntos. Primeiro as Pessoas!